Para a glória de Deus!

Para a glória de Deus!

19/01/2010

DOUTRINA DA EVIDÊNCIA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO


1. A Recepção do Batismo no Livro de Atos

SINAIS EM ATOS DOS APÓSTILOS
Som de vento - capítulo 2
Línguas de fogo - capítulo 2


Falar em línguas - capítulos 2,10 e 19
Imposição de mãos - capítulos 8 e 19

Espírito recebido após a conversão - capítulos 2 e 8
Espírito recebido na conversão - capítulos 10 e 19


Oração - capítulos 2 e 8
Vê-se que não há UM SINAL específico, único.


O grande SINAL é a vida transformada.


2. Relatos de recebimento do Espírito Santo, sem a menção de que falaram em línguas.
Há 9 passagens no livro de Atos que tratam sobre pessoas “cheias” do Espírito Santo, mas nenhuma delas fala do dom de línguas:
4:8 - Pedro perante o Sinédrio
4:31 - Igreja em oração pela libertação de Pedro
6:3 - Escolha dos diáconos
6:5 - Descrição de Estêvão
7:55 - Estêvão perante os líderes judaicos
9:17 - Imposição de mãos sobre Paulo
11:24 - Descrição de Barnabé
13.9 - Paulo perante Elimas
13:52 - Relato sobre os discípulos


3. O SINAL DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO
No Novo Testamento, a evidência do recebimento do Espírito não reside no fenômeno extático exterior, passível de enganosa imitação, mas na conversão do homem a Jesus Cristo, com seus respectivos frutos (Gálatas 5:22-26).
Quando ocorreu o dom de línguas no NT ele era como um sinal dentre outros. Este dom não veio como conseqüência de uma busca determinada, mas como surpresa (Atos 10:45). O dom não era esperado, exigido nem procurado como fazem os pentecostais hoje.
Nosso máximo exemplo – Jesus – em nenhum momento do Seu ministério falou em “línguas estranhas” para provar que era cheio do Espírito.
O verdadeiro “sinal” da plenitude do Espírito na vida do crente é:
Atos 2:42-47; 4:32-37 - Desprendimento, amor, comunhão, zelo pela obra do Senhor.
Romanos 5:5-6 - Amor a Deus e a Seus filhos
1João 5:2-3 - Obediência


O DOM DE LÍNGUAS E SUA NATUREZA


ATOS 2
O Espírito Santo foi derramado no Pentecoste, e não antes, porque o ministério do Espírito não havia ainda sido iniciado (João 7:39; Atos 2:33). O ministério do Espírito só iniciou após a glorificação de Jesus como Vencedor sobre a morte.
Pedro estava naquela ocasião em um momento especial para a disseminação do Evangelho. Estavam em Jerusalém milhares de judeus vindos de diversas partes do mundo (v. 5), e aquela seria a ocasião propicia para falar de Jesus para eles. Mas como isso ocorreria? Eles falavam diferentes idiomas (vv. 6-11).
Deus, então, dotou o apóstolo da capacidade sobrenatural de pregar o evangelho de uma maneira que todos os diferentes grupos lingüísticos compreendessem e pudessem aceitar a mensagem. E foi o que aconteceu.
Pedro pregou e cada pessoa ali presente o ouviu falar em sua própria língua, ou seja, o dom concedido em Atos 2 não foi uma “língua estranha” ou “língua dos anjos”, incompreensível. Mas foi, sim, a capacidade de falar no idioma da pessoa que estava necessitando da mensagem de salvação. E qual foi o resultado? Veja no verso 41.


ATOS  10
Deus já havia concedido a Pedro uma revelação sobre o preconceito religioso que ainda estava presente no coração dos judeus, inclusive dele próprio (Atos 10:9-16, 28).
Após receber a visita de pessoas enviadas por Cornélio, Pedro vai ter com ele, porém leva “alguns irmãos”, para servirem de testemunha da conversão do militar gentio (v. 23).
Ao chegarem lá, Pedro compreende o significado da visão sobre o lençol, pois ele percebeu que a mensagem do evangelho deveria alcançar todas as pessoas, de todas as nações, independentemente de raças (vv. 28 e 34).
Após Pedro pregar sobre Jesus e confirmar a conversão do centurião, o Espírito desce sobre os que ouviam o apóstolo, deixando os discípulos judeus “admirados” (v. 44-45), pois viam Cornélio e outros falando em línguas, “engrandecendo a Deus” (v. 46). Imediatamente eles reconheceram que ali estavam pessoas féis a Deus, e concluíram a festa com o batismo de Cornélio nas águas.
O dom de línguas aqui serviu para quebrar o preconceito que os judeus tinham sobre a aceitação de gentios no Reino de Deus. Tanto é assim, que a Igreja da Judéia ficou querendo mais informações sobre o ocorrido (11:1-18), e Pedro teve a oportunidade de testemunhar do que ele havia visto com seus próprios olhos.
Como militar romano, Cornélio também poderia usar o dom de falar em outros idiomas para difundir a mensagem do evangelho em suas viagens pelo Império.


ATOS 19
Paulo faz um breve questionamento aos discípulos que encontrou em Éfeso, e percebe que eles receberam um batismo “pobre”, pois não possuíam nenhum conhecimento sobre o Espírito Santo (vv. 1-3).
Paulo os orienta, acrescentando o ensino verdadeiro sobre a salvação em Jesus Cristo, e eles recebem o batismo no Espírito Santo, com a manifestação do dom de falar em línguas (v. 6).
Assim como no caso de Cornélio, o dom serviu para ajudar aqueles discípulos a pregarem o evangelho naquela cidade, conhecida pela importância do seu porto, e pela grande passagem de pessoas de todas as regiões, e de outras nações também.
“Foram então batizados em nome de Jesus; e impondo-lhes Paulo as mãos, receberam também o batismo no Espírito Santo que os capacitou a falar as línguas de outras nações, e a profetizarem”. - Atos dos Apóstolos , p. 283.


1 CORÍNTIOS 14
Em Coríntios, a língua não era “estranha”, mas um dom legítimo que precisava ser orientado.
O que é um dom? - Capacitação natural, dada por Deus aos salvos, para um objetivo útil da Igreja.
O que é um talento? - Capacitação natural, recebida por herança ou adquirida por treinamento, podendo ser usado dentro ou fora da Igreja.
Os dons SEMPRE são concedidos pelo Espírito com um fim “proveitoso” para a Igreja (1Co 12:7; 1Co 14:12, 19). Portanto, o objetivo principal da concessão do dom é EDIFICAR, INSTRUIR e ORIENTAR a Igreja de Deus (Efésios 4:11-13).
No caso do dom de línguas, a condição para que ele seja útil é que possa ser COMPREENDIDO (1Co 14:6-11). Para a evangelização e edificação é necessário que os “sons” sejam compreensíveis.
Como é dito que, embora o que fala em línguas não seja entendido por ninguém, mas é dito que o que fala em outra língua se edifica a si mesmo, e que só pode haver edificação se houver entendimento, conclui-se que o que fala em línguas, fala uma língua estrangeira, porque os que falam as “línguas estranhas” atuais dizem sempre que não sabem o que estão falando. Já que o que fala se edifica (1Co 14:1-4), e portanto entende o que fala, então ele certamente fala em um idioma estrangeiro.
O que ocorre em 1Co 14 é o mesmo dom de Atos 2. O que estava havendo de errado era a desordem com que acontecia o dom, e a irreverência que isto causava ao culto. Por isso Paulo orienta a organização do dom (vv. 26-33, 39-40).
Os pentecostais dizem que o dom de línguas é uma “prova” perante a igreja de que determinado irmão foi “batizado” com o Espírito Santo. Neste caso, o dom seria um sinal para os crentes, o que está totalmente em desarmonia com o que Paulo afirma no verso 22.
Paulo também estava interessado em desvincular o culto cristão com o culto a deusa Cibele, que era realizado em Corinto, e que era caracterizado por grandes demonstrações de êxtase e transes.


ESTUDO DO TERMO GREGO USADO PARA “LÍNGUAS”
A palavra grega utilizada para “línguas” é glossa (GLOSSA). Em inúmeras passagens do Novo Testamento, esta palavra (ou suas variações) SEMPRE está vinculada ao idioma falado pelas pessoas e nações.
Vejamos alguns dos versículos onde esta palavra ocorre:
Lucas 1:64 Atos 10:46 1Ped. 3:10; Atos 2:26 Atos 19:6 Apoc. 13:7; Rom. 14:11 Rom. 3:13 Apoc. 14:6; 16:10Filip. 2:11 1Cor. 12:10, 28, 30 1Jo 3:18; Tiago 3:5-6 1Cor. 13:1 Marcos 7:33, 35; Atos 2:3-4 1Cor. 14:5-6 1Cor. 14:9; 1Cor. 13:8 1Cor. 14:18, 23, 39 Apoc. 5:9; 1Cor. 14:22 Apoc. 10:11 Apoc. 7:9; 11:9 Apoc. 17:15 Lucas 16:24 Atos 2:4, 11; Marcos 16:17; 1Cor. 14:2, 4, 13-14, 19, 26-27; Tiago 1:26; 3:8
Observe, especialmente, os que estão em destaque .


CONCLUSÃO
Não resta dúvidas, CONFORME O TEXTO BÍBLICO, de que o dom de línguas é uma manifestação sobrenatural para o crente falar em OUTRO IDIOMA ESTRANGEIRO, diferente do seu, para o qual ele não teve qualquer treinamento, com o ÚNICO objetivo de fazer avançar a pregação do evangelho, levando a Igreja de Deus a ser edificada e reconhecida.

02/01/2010

a crente carola - com letra minúscula


Sua presença nas reuniões cristãs é totalmente perceptível, quase impossível passar despercebida, embora ela alegue que não está ali para “se aparecer’ ou “fazer fama”. Segundo ela, sua presença ali é para louvar a Deus.
Sua aparência é impecável, demonstrando fortemente sua externa religiosidade, através de suas roupas “supostamente” decentes. Suas vestimentas poderiam ser comparadas à fardas militares, pois são ostentadas como se fossem uniformes de “entrar no céu”. É como se quem não as usasse estivesse desprovidos do direito de entrar nos reinos celestiais, sendo assim as pessoas “não uniformizadas” descriminadas pela crente carola, que as taxam de “rebeldes” ou “desconcertadas”.
A crente carola também se aponta como fielmente cumpridora da Palavra de Deus, mas seu comportamento, se olhado com bastante atenção, pode nãos ser tão fiel assim...
Ela se diz “submissa” a seu marido, mas na verdade, ela mantém o controle absoluto de todas as situações que envolvem a sua família, e em alguns casos, o seu “sortudo” marido se submete a seu controle assim como um recruta está sobre o controle de seu comandante no seu quartel militar.
E quando as coisas saem de seu controle, outra de suas alegadas qualidades desaparece como por ato mágico; sua espetacular “paciência” é substituída por atos bestiais de selvageria e impaciência, e quem mais sofre debaixo desta transformação é o pobre coitado do marido, que nessas horas deve se perguntar se jogou “pedras na cruz” para merecer aquela bela que se transforma em fera...
E o que dizer de sua “humildade” a qual a faz alegar que não em toda a sua igreja alguém tão humilde quanto ela, que se afirma como a mais perfeita das lideres dos grupos de circulo de oração da sua igreja ou até de seu campo eclesiástico. Não que ela seja exaltada, mas ela é literalmente capaz de brigar pelo seu “cargo”.
Em seus diálogos ela diz que “não suporta mexericos ou fofocas da vida alheia”, mas basta alguns minutos de conversação com a irmã carola para descobrir que ela é muito bem informada sobre a vida de quase todos na igreja (e fora dela também), estando sempre atualizada sobre as “novidades” sobre a vida das pessoas. Se seu conhecimento bíblico fosse à mesma média do seu conhecimento sobre a vida alheia a irmã carola seria uma excelente enciclopédia bíblica ambulante. Além de ficar vista como a “jornaleira” da igreja, essa “mania” e uma pessoa que não inspira a menor confiança dos demais na igreja, a irmã carola pode até impedir o progresso ministerial ou até espiritual na vida das pessoas que estão a sua volta... Isso revela que na verdade essa irmã carola é um impedimento, uma pedra de tropeço.
Seus olhos são perfeitos para enxergar, mas sua mente nem sempre interpreta o que enxerga da forma correta, o que é comprovado pela sua língua, que narra os fatos de forma completamente diferente da realidade; sua capacidade de transmissão de informações recebida é incrível, e multiplicada pelos avanços tecnológicos de ferramentas que estão hoje disponíveis, como o MSN e ORKUT, torna a irmã carola uma potente divulgadora de fatos. O problema é que a divulgação desses fatos é feito de forma dissimulada, sem mesmo checar se a informação possui fundo de verdade, e se a fonte tem qualidades morais para informar qualquer coisa da vida alheia, sem falar que ninguém, nem mesmo a irmã carola, tem direito a divulfar fatos da vida das outras pessoas.

Os conceitos morais apregoados por ela para apontar erros ou deslizes de outras pessoas são impressionantes, porém tais conceitos só podem servir para serem aplicados na vida dos outros, pois em sua intimidade, esses conceitos morais não passando de fabulas ou teorias não observadas pela irmã carola, pois em seus segredos estão escondidos fatos hediondos, que se contados por terceiros duvidaríamos, pois conhecemos os “altos valores e conceitos morais” da irmã carola, mas na pratica são conceitos de falso moralismo e falso pudor. Na Bíblia da irmã carola não tem aquele versículo que afirma que todos os segredos serão ainda revelados.
Outra qualidade que a irmã carola aprecia muito descrever nela mesma é sua “bondade”, mas sua mesquinhez é conhecida de todos, e sua inveja quase fazem seus olhos soltarem dos glóbulos oculares.
Enfim, a irmã carola representa toda a hipocrisia e falso pudor possível. Sua presunção afasta as pessoas verdadeiramente humildes de sim, e ela na verdade é uma irmã solitária, sua presença é indesejada em todos os meios, e ela demonstra não se importar com, querendo aparentar que seu mundo lhe basta, mas na verdade ela sofre com esse isolamento que é conseqüência de sua antipatia e sua imponência fajuta. Ela pensa que vai estar presente no arrebatamento, mas se não experimentar uma conversão genuína, (o que nada tem a ver com o fato de seu enorme tempo de “serviços” prestados a igreja, seus inúmeros desfiles em festas evangélicas e sua “intensiva” participação em eventos coletivos tipos os chamados “encontros de casais” de “círculos de oração”) seu final será junto aos ímpios e perdidos, que sem conhecimento da Palavra de Deus andaram impiamente durante suas vidas, ao passo que a irmã carola tinha acesso a Palavra de deus, estava no meio dos cristãos, só não conseguiu experimentar uma transformação verdadeira de caráter.
Se você conhece alguma irmã carola (e olha que são muitas dentro das igrejas), tente evitar atrito com elas para que você não caia na ira dessas pessoas, mas ore por elas, para que se convertam de verdade. Para lidar com essas carolas a melhor arma é o silencio com elas, pois todas as palavras ditas a elas poderão ser usadas por elas contra você mesmo.
Agora, se você é uma dessas irmãs carolas, sei que a essa altura você estará me criticando e determinando meu fim, mas eu não tenho medo de suas “profecias” malignas, pois estou debaixo do verdadeiro poder de Deus, e eu mesmo sendo imperfeito, desfruto da misericórdia d e Deus. Mas aconselho a você a deixar Deus operar uma libertação genuína em você, por ação do Espírito de Deus em sua vida. Convide o Espírito a vir habitar em você e fazer em você uma grande obra de libertação; admitir que você precisa dessa libertação já é um passo importante e valioso, pois será prova que até para a irmã carola existe chance de salvação;
Antes de encerrar, quero afirmar que toda e qualquer afirmação aqui apresentada é mera coincidência, não quis aqui atingir A ou B, apenas escrevi o que Deus colocou em meu coração para escrever. Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz. Ou quem tem cérebro e olhos leia o que o Espírito diz ou escreve...

A próxima apresentação a ser feita será do irmão "faris-eu"... Aguardem...


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ao redor do mundo...

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

MENSAGENS DO MILTON RABAYOLI

FIQUE A VONTADE... SINTA-SE COMO SE ESTIVESSE EM SEU PRÓPRIO BLOG...

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ E VOLTE SEMPRE! ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥