Para a glória de Deus!

Para a glória de Deus!

24/02/2014

Falando aos fofoqueiros: O mal de falar da vida alheia



Fofoca é coisa de pessoas que  têm a vida mal resolvida e veem em outros seus próprios problemas

 “Você viu Fulano hoje, como ele está?” “E Beltrano, você não sabe o que aconteceu com ele?” “Vou dizer a Ciclano que Fulano disse que Beltrano está...” Essas três situações revelam aquilo que todo mundo está careca de saber – e de fazer, infelizmente: fofocar.

É muito comum encontrar pessoas que a-do-ram falar da vida dos outros. Não se passa um minuto em que esses seres não estejam contando e especulando sobre a vida alheia – e aí o alvo pode ser o parente, o vizinho, o colega de trabalho e até o artista. Essa mania de saber o que acontece à sua volta é que financia, por exemplo, todas essas revistas de fofoca, sites, programas de TV sobre celebridades etc.

Para a psicóloga carioca Patrícia Ribeiro de Andrade, as pessoas se ocupam da vida dos outros para não tomar conta da sua própria vida. “Tem gente que só vive a vida do outro e não olha para si próprio”, afirma Patrícia.

Ela diz que a fofoca apresenta vários aspectos. Além das pessoas que se ocupam da vida dos outros ou que querem viver a vida de outros, há as que utilizam esse instrumento para prejudicar terceiros. Inventam histórias com o objetivo claro de trapacear, prejudicar alguém. O ambiente de trabalho, por ser bastante competitivo, é ideal para os maldosos de plantão.

É por isso que, baseando-se na Doutrina racionalista cristã, pode-se considerar a fofoca, o falar da vida dos outros como um vício. E como vício deve ser extirpado. Fofocar não é coisa para quem tem o que fazer, para quem está preocupado com a própria evolução, com as próprias qualidades e defeitos. Devemos estar voltados para nós mesmos. E é isso que o fofoqueiro não consegue fazer.

“Ele fala do outro para liberar uma angústia pessoal. Se você parar para pensar, o sujeito fala do outro sobre questões que são dele mesmo”, afirma a psicóloga Rosane Costa, do Rio de Janeiro. Se, por exemplo, alguém que sofreu na infância com um pai alcoólatra que batia na mulher vir uma situação parecida quando adulto, pode esconder a sua angústia particular através da fofoca, ou seja, essa pessoa procura outros para falar: "Você viu o que Fulano faz com a mulher? Isso é um absurdo. Se eu fosse ela..."

O problema dessas pessoas, segundo Rosane Costa, é que elas não se dão conta de que a questão é delas mesmas. Em vez de tratá-la, escolhem a via negativa da fofoca.

Esse mau hábito não é coisa de adulto somente. Convém  lembrar que o site de relacionamentos Orkut e a rede social Facebook, mania dos jovens e muitos adultos, nada mais são do que uma grande fonte de fofocas. Ali, as pessoas “fuçam” a vida de amigos, ex-namorados, etc. “Acaba até em separação. Tudo por conta da fofoca”.         

“O importante é fazer a pessoa tomar consciência de que o que ela faz pode prejudicar a ela mesma, no sentido de que ela não vive a sua vida para viver a de terceiros”. Pessoas próximas podem revestir-se de delicadeza e sutileza para alertar os fofoqueiros. “É uma situação difícil, mas, quando a pessoa estiver falando mal dos outros, você pode perguntar: ‘E aí, o que está acontecendo com você? Como andam as coisas?’, numa tentativa de chamar a pessoa para a realidade dela.

Quem fofoca demais acaba virando um chato, alerta Rosane. É melhor manter distância desse tipo de gente. Não é saudável servir de plateia para quem pode estar com a vida mal resolvida e acaba gastando energia para falar ou julgar a vida dos outros. O melhor mesmo é procurar o que fazer: ler um bom livro, escutar boa música, trabalhar e estudar, além, é claro, de olhar para si próprio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esta postagem realmente é muito forte, sendo assim, te convido a ler e meditar no seu conteúdo e depois, peço-te, deixe ai seu comentário, sua crítica, seu recado, sua opinião... E compartilhe em sua rede social.
Pois assim você estará me ajudando a melhorar este espaço!
(1)Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se.
(2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, a única coisa que não aceitarei é esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor. não venha me criticar por falar contra aqueles que penso serem enganadores e falsos profetas.
Sinta-se em sua casa! Ou melhor, em seu blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ao redor do mundo...

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

MENSAGENS DO MILTON RABAYOLI

FIQUE A VONTADE... SINTA-SE COMO SE ESTIVESSE EM SEU PRÓPRIO BLOG...

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ E VOLTE SEMPRE! ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥