Para a glória de Deus!

Para a glória de Deus!

15/04/2014

O CRISTÃO E O SUICÍDIO


AS ESCRITURAS, AUTORIDADE EM MATÉRIA DE FÉ
Depois de ler o artigo intitulado “Ao Cometer Suicídio, o Cristão Perde a Salvação?” de autoria de Miguel Núñez,2 publicado na página do Ministério Fiel na internet,3 resolvi comentar o assunto, porém sob uma perspectiva e análise definitivamente bíblica. O grande reformador do século XVI, Martinho Lutero, trouxe a lume o que comumente chamamos de “os cinco pilares da reforma protestante,” que são também conhecidos como “os cinco solas da reforma protestante”. Esses pontos surgem com o propósito de se oporem ao pensamento, conduta e ensino da igreja romana da época. Os cinco Solas são: Soli Deo Gloria; Sola Fide; Sola Gratia; Sola Christus e Sola Scriptura. A palavra ‘Sola’ é uma palavra latina que significa “somente”. Quero porem, destacar aqui apenas o ponto conhecido como ‘Sola Scriptura,’ ou seja, somente a Escritura. Esse pilar da reforma protestante mostra que somente as Escrituras são a única regra de fé e prática para o crente. As tradições [humanas] as bulas e os escritos papais não têm, não podem ser ou mesmo servem de instrumento de fé e prática para o rebanho de Cristo, somente as Escrituras Sagradas. Elas foram escritas por homens inspirados por Deus, são instrumentos de revelação da vontade de Deus para nossa vida. Ao lê-la somos iluminados pelo Espírito Santo para entendê-la. Martinho Lutero escreve:
"Então, achei-me recém-nascido e no paraíso, toda as Escrituras tinham para mim outro aspecto, perscrutava-as para ver tudo quanto ensinam sobre a justiça de Deus"4
A Confissão de Fé de Westminster declara categoricamente a respeito da autoridade da Escritura Sagrada:
A autoridade da Escritura Sagrada, razão pela qual deve ser crida e obedecida, não depende do testemunho de qualquer homem ou Igreja, mas depende somente de Deus (a mesma verdade) que é o seu Autor; tem, portanto, de ser recebida, porque é a Palavra de Deus.5

Todo o conselho de Deus concernente a todas as coisas necessárias para a glória dele e para a salvação, fé e vida do homem, ou é expressamente declarado na Escritura ou pode ser logicamente e claramente deduzido dela. À Escritura nada se acrescentará em tempo algum, nem por novas revelações do Espírito, nem por tradições dos homens; reconhecemos, entretanto, ser necessária a íntima iluminação do Espírito de Deus para a salvadora compreensão das coisas reveladas na Palavra, e que há algumas circunstâncias, quanto ao culto de Deus e ao governo da Igreja, comuns às ações e sociedades humanas, as quais têm de ser ordenadas pela luz da natureza e pela prudência cristã, segundo as regras da Palavra, que sempre devem ser observadas.6
CRENÇA NA PALAVRA DE DEUS OU NO ARGUMENTO HUMANO?
Nós calvinistas reformados somos conhecidos pela defesa da Palavra genuinamente bíblica e da centralidade da Escritura como sendo ela a autoridade máxima em matéria de fé. Temos pregado, ensinado e exortado através da Palavra de Deus, que aqueles que foram chamados por Cristo segundo o Seu decreto, devem viver em conformidade às Sagradas Escrituras e não segundo o testemunho de homens que são guiados por ventos de doutrina: “Se admitimos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior [...]. Outra razão ainda temos nós para, incessantemente dar graças a Deus: é que, tende vós recebido a palavra que de nós ouvistes, que é de Deus, acolhestes não como Palavra de Homens e sim como em verdade é, a palavra de Deus, a qual, com efeito, está operando eficazmente em vós, os que credes.” (1Jo 5.9ª; 1Ts 2.13)
A VERDADEIRA CONVICÇÃO DE FÉ NÃO PROCEDE DO CONHECIMENTO NATURAL DE MUNDO, MAS DA REVELAÇÃO E ILUMINAÇÃO PROVENIENTES DE DEUS
Independente da cultura, da religião ou do meio em que vivemos, todo o conhecimento adquirida ao longo dos anos, tem sido transmitido aos seres humanos pela experiência e pela visão de mundo, de geração a geração, pelos antepassados (pais, avós etc.). O momento da descoberta da vida, da assimilação e compreensão dos valores morais, éticos e até mesmo espirituais pela percepção da lógica humana deram-se no instante em que ouve a transmissão de dados e informações que permitiram ao ser humano registrá-los na memória e em seu sub consciente, e assim, o homem tornou-se capaz de decidir entre o certo e o errado, entre o bem e o mal. A linguagem é tão fundamental para o ser humano que pode até mesmo defini-lo. Através da linguagem o homem expressa o mundo e se expressa no mundo. Além disso, todas as produções e ações humanas não poderiam ser registradas ou mesmo compartilhadas se a linguagem, de certo modo, não as objetivasse, seja através de proferimentos, sentenças, gestos, hábitos ou quaisquer outras manifestações expressivas.7 As ações, intenções, crenças e o que define o ser humano em suas convicções, é o reflexo de tudo aquilo que ele aprendeu durante a vida, inclusive aquilo que ele provavelmente chama de fé.
As respostas que damos ao mundo sobre Deus, não podem ter sua origem unicamente no ponto de vista do mundo, nem tão pouco proceder do conhecimento natural do homem, mas do conhecimento revelado por Deus a nós pela Escritura Sagrada mediante a iluminação do Espírito Santo. Ou cremos na suficiência da Bíblia para responder os questionamentos do mundo sobre Deus, ou rejeitamos esta revelação e partimos do pressuposto que o homem natural é suficientemente capaz de interpretar sozinho (sem a Bíblia) as questões espirituais mais conflitantes da alma. Lembremos o que o apóstolo Paulo nos ensina sobre a capacidade do homem natural: “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entende-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1Co 2.14).  
Diz Berkhof:
A consciência religiosa do homem substituiu a Palavra de Deus como a fonte da teologia. A fé na Escritura como autorizada revelação de Deus foi desacreditada, e a compreensão humana, baseada na apreensão emocional ou racional do homem, tornou-se o padrão do pensamento religioso. A religião gradativamente tomou o lugar de Deus como objeto da teologia. O homem deixou de ser ou de reconhecer o conhecimento de Deus como algo que lhe foi dado na Escritura e começou a orgulhar-se de ter a Deus como seu objeto de pesquisa. No curso do tempo tornou-se comum falar do descobrimento de Deus feito pelo homem, como se o homem alguma vez o tivesse descoberto; e toda descoberta feita nesse processo foi dignificada com o nome de “revelação”.8
Quando Pedro diz: “antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1Pe 3.15), ele tinha em mente, exatamente a fonte do verdadeiro conhecimento – “Jesus Cristo”. Como alguém pode testificar da esperança, confiança e fé em Deus, sem que antes tenha bebido da fonte da verdade e da vida? A fonte da nossa fé é que determina o quanto ela é falsa ou verdadeira. Se a fé que alguém professa está apoiada em sabedoria humana, vale a pena lembrar a advertência que o apóstolo Paulo dá a igreja de Colossos contra falsos ensinos: “Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” (Cl 2.8). Cristo é a fonte da verdadeira fé.
Portanto, a fé não é produto do meio em que vivemos, nem é produzida por vontade humana, mas é fruto da graça sobrenatural de Deus, dada aos homens não por méritos, mas por graça para a salvação pela obra do Espírito de Cristo operada pelo ministério da Palavra. Bem assim nos diz a Confissão de Fé de Westminster:
A graça da fé, por meio da qual os eleitos são habilitados a crer para a salvação da sua alma, é obra que o Espírito de Cristo faz no coração deles, e é ordinariamente operada pelo ministério da Palavra [...].9
Até aqui, para uma melhor compreensão, falamos a respeito da centralidade da Palavra de Deus a qual tem sobre nós exclusiva autoridade em matéria de fé. O que implica dizer que para expressar qualquer doutrina em relação a fé genuinamente cristã é necessário que esta mesma fé não seja superficial, baseada em tradições humanas, mas unicamente alicerçada na revelação suprema de Deus aos homens - Sua Palavra inspirada: “Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2Tm 3.16)
O PONTO DE VISTA DA CRENÇA DO PECADO DO SUICÍDIO É HUMANO OU BÍBLICO?
Um dos pontos abordados pelo argumento de Núñez no início de seu artigo é a comparação pejorativa que ele faz entre a “crença Católica” no pecado do suicídio e a relação dessa doutrina com o cristianismo em geral e que justificaria, segunde ele, a crença da maioria dos cristãos na mesma doutrina. Diz Núñez:
Aqueles de nós que crescemos no catolicismo sempre ouvimos que o suicídio é um pecado mortal que irremediavelmente envia a pessoa para o inferno. Para muitos que têm crescido com essa posição, é impossível despojar-se dessa ideia.”10
Núñez não fala do ponto de vista bíblico como fonte segura da doutrina do pecado do suicídio; na verdade ele diz desconhecer qualquer argumento extraído dessa fonte, e, parece desconsiderá-la usando como argumento principal a religião Católica como sendo o único fundamento da doutrina. Sabemos que não somente na igreja Católica, mas também em outras religiões, encontramos pontos de concordância e discordância quanto aos aspectos relevantes a fé cristã. Em se tratando do catolicismo e protestantismo, [...] convém lembrar o que é mais importante: os seus pontos de concordância. Esses pontos podem resumir-se dizendo que católicos e protestantes aceitam os símbolos de Fé conhecidos por “Credo de Nicéia” e “Constantinopla” (381 A.D.) e o “Credo dos Apóstolos” (também do século IV). Alguns grupos protestantes nunca recitam qualquer Credo, mais por falta de hábito no uso de textos litúrgicos que por razões doutrinárias. Mas as doutrinas nestes dois Credos enunciados são de fundamento bíblico. Nem se põe nenhum problema aos evangélicos relativamente à expressão “Credo na Igreja, una, santa, católica e apostólica”. A cultura mais elementar sabe que “católica” é a Igreja Universal, composta de todos os que professam a fé em Jesus Cristo, o Senhor. Assim, visto que aqueles dois Credos encerram os princípios essenciais do Cristianismo, podemos dizer serem enormes os pontos de concordância entre o Católicismo e o Protestantismo.11  Não negamos é claro, os incontestáveis pontos contraditórios entre estas duas expressões da fé cristã. Segue um breve resumo de algumas das mais importantes diferenças: a instituição do culto aos santos em 375; a instituição do culto a Maria à partir do Concílio de Éfeso, cidade em que a divindade feminina pagã, Diana dos Efésios, era adorada, em 431; a doutrina do purgatório em 503; a adoração a imagens e relíquias em 783; a criação do rosário em 1090; e a proibição da leitura da Bíblia em 1229.12  A questão principal não são as divergências, mas os pontos de concordância. Infelizmente o que Núñez quis fazer, foi tentar desacreditar a doutrina do pecado do suicídio, levando seus leitores a ponderar apenas o lado negativo das divergências existentes entre católicos e protestantes. Na realidade, o fundamental não é o ponto de vista religioso desta ou daquela religião, mas sim, o ponto de vista Bíblico. Falando sobre a maravilhosa oportunidade que cada um de nós tem de descobrir na Bíblia o seu verdadeiro significado sem a influência do meio, Antônio Renato Gusso diz:
[...] É uma atitude sadia, dando a cada um a oportunidade de descobrir qual é a verdade de Deus para o seu povo, sem o perigo de ser influenciado nessa descoberta por pessoas mal intencionadas, que procuram impor o seu próprio ponto de vista, com a intenção de prender seus seguidores sob esta ou aquela doutrina humana, apresentada com uma roupagem aparentemente divina. Essa liberdade, contudo, não nos dá o direito de interpretá-la da maneira que quisermos ou que mais agrade. Como não queremos ver a Bíblia sendo usada para este ou aquele interesse, nós também não podemos usá-la conforme os nossos interesses.13
O HOMEM NATURAL E O PODER DO PECADO SOBRE ELE
A relevância da questão, se o cristão perde ou não a salvação quando comete suicídio, não se encontra nos argumentos humanos, nos achismos, nas conjecturações, e sim, na fidedigna Palavra de Deus. A pergunta que se deve fazer é: O que a Bíblia diz de fato? Mas antes de responder a esta pergunta, para uma melhor compreensão, devemos responder a outra: Quem é o homem natural?
A doutrina da Depravação Total ensina que o homem é escravo de Satanás e morto em seus delitos e pecados. É incapaz de pela sua própria vontade orientar-se na direção da sua própria salvação. Somente Deus pode operar o milagre da regeneração para que o homem possa crer em Cristo.14 Mais nem sempre foi assim: Deus criou o homem, macho e fêmea, conforme a sua própria imagem, em conhecimento, retidão e santidade, com domínio sobre as criaturas.15 A natureza do homem criado por Deus era perfeita em todos os sentidos, principalmente porque o Senhor dotou a vontade do homem de liberdade a qual comumente chamamos de "Livre-Arbítrio". Foi exatamente com este "livre-arbítrio" que o homem decidiu pela desobediência, escolhendo perder todos os privilégios de um homem livre para se tornar escravo do pecado.16
A Bíblia fala de duas classes distintas de homens, os regenerados e os não-regenerados. Os não-regenerados são aqueles cuja natureza caída é naturalmente corrompida pelo mal e cujo desejo é escravo do pecado. Diz a Escritura: “Ele vos deu vida,estando vós mortos nos vossos delitos e pecados (Ef 2.1) A expressão “morto em pecado” refere-se à vontade naturalmente corrompida do não-regenerado. [...] É esta vontade, portanto, que é restaurada pelo Espírito Santo na nossa conversão. O Espírito Santo implanta nela um novo princípio de vida espiritual e santidade. [...] Assim pois, uma tal obra do Espírito Santo em nossas vontades é necessária para que sejam curadas e se lhes extirpe a corrupção. A vontade deve ser libertada do estado de morte espiritual para ser capacitada a viver para Deus; deve ser renovada e submetida a um novo princípio governante de fé e obediência.17
O homem está sujeito a obedecer incondicionalmente ao pecado que o escraviza; é incapaz de responder positivamente a Deus por sua própria vontade; não aceita e tão pouco pode entender as coisas do Espírito de Deus. O conhecimento que dizem ter de Deus é superficial: “porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos” (Rm 1.21,22). Esse mesmo homem natural é capaz de dar cabo à própria vida sem titubear um só instante: “E por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia” (Rm 1.28-31).
O Breve Catecismo diz:
Todo o gênero humano, pela sua queda, perdeu a comunhão com Deus, está debaixo de sua ira e maldição, e assim ficou sujeito a todas as misérias nesta vida, à própria morte e às penas do Inferno para sempre.18
OS REGENERADOS EM CRISTO ESTÃO SUJEITOS AO PODER DO PECADO?
Deus pela sua graça alcança e regenera o pecador perdido. A graça de Deus não pode ser obstruída. Sua graça é irresistível. Esse é o dom da vida eterna, a regeneração. Todos os mortos (alienados de Deus) longe da presença de Deus, são levados a Satanás, o deus dos mortos. Todos os espíritos vivos (regenerados) são guiados irresistivelmente para Deus, o Deus da Vida. E Deus por sua própria vontade entrega o Espírito da vida a seus eleitos. Agindo Deus nos seus eleitos há uma reversão de polaridade espiritual; mortos (em delitos e pecados) para vivificados (em Cristo) e então direcionados para o Criador.19“Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim” (Jo 6.44,45).
Diz ainda a Confissão de Fé de Westminster:
Todos aqueles a quem Deus predestinou para a vida, e só esses, é ele servido chamar eficazmente pela sua Palavra e pelo seu Espírito, no tempo por ele determinado e aceito, tirando-os daquele estado de pecado e morte em que estão por natureza para a graça e salvação, em Jesus Cristo. Isso ele faz iluminando o entendimento deles, espiritual e salvificamente, a fim de compreenderem as coisas de Deus, tirando-lhes o coração de pedra e dando-lhes um coração de carne, renovando as suas vontades e determinando-as, pela sua onipotência, para aquilo que é bom, e atraindo-os eficazmente a Jesus Cristo, mas de maneira que eles vêm mui livremente, sendo para isso dispostos pela graça. 20
Com a regeneração, os cristãos são libertos do poder do pecado, ou seja, o pecado não tem mais domínio sobre eles. O homem natural continua escravo do pecado, mas o homem regenerado é nova criatura. Tudo isso é obra do Espírito Santo. Ele nos traz à vida; nós que estávamos mortos em nossos delitos e pecados. Dá-nos um novo coração e põe em nós um novo espírito. Escreve a Sua lei em nossos corações para que possamos conhecer e executar a Sua vontade e assim andar em Seus caminhos. É ele quem opera em nós o querer e o efetuar da Sua boa vontade. Quem transforma os outrora mal dispostos e obstinados em solícitos e obedientes, e isso pela livre escolha e vontade deles mesmos. Desse modo implanta em nossos corações um prevalecente amor de Deus, que faz as nossas almas se apegarem a Ele e aos Seus caminhos com gozo e satisfação. Por sua própria natureza o coração é depravado de tal forma que a mente e a vontade buscam atender à concupiscência que nele há. Mas o Espírito Santo circuncida o coração com a sua lascívia e desejos, e enche-nos de amor santo e espiritual, alegria, temor e gozo. O Espírito Santo não modifica a essência de nossos desejos mas santifica-os e guia-os com Sua luz salvadora e com o Seu conhecimento. Assim Ele associa os desejos ao seu objetivo apropriado que é Cristo.21
A regeneração é a disposição que a pessoa tem, em Cristo, para viver uma nova vida. A partir da regeneração a pessoa passa a desejar o que é bom e justo [...] O toque regenerador do Espírito Santo leva a pessoa à conversão: “Conversão é o resultado da ação do Espírito Santo que leva o pecador a arrepender-se de seus pecados e a crer em Cristo como Salvador e Senhor”.22É impossível que um verdadeiro cristão viva a pecar, porque: “se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele [...]. Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado; antes, Aquele que nasceu de Deus o guarda, e o Maligno não lhe toca” (Rm 8.9; 1Jo 5.18).
Os regenerados em Cristo não estão sujeitos ao poder do pecado como escravos dele, mas podem ser influenciados a pecar por causa dos pensamentos e desejos que ainda lhe são comuns. Muitos podem pensar que, uma vez que uma pessoa se torna crente, ela nunca mais luta contra o pecado, nem peca. É verdade que aquilo que é nascido no crente não pode pecar e nunca vai pecar (I Jo. 3.9; 5.18). O que nasce é a natureza divina no crente. A natureza divina no crente não pode pecar, mas o crente pode. Também é verdade que aquele nascido de Deus não vive dominado pelo pecado. Mesmo ele caindo, levanta (Pv. 24.16). O pecado que o crente tem é ligado a ele por ele viver no mundo (I Jo. 2.16) e ter o pecado ainda nos seus membros (Rm. 7.23). Enquanto o crente for carne, terá o problema do pecado (“... o espírito está pronto, mas a carne é fraca.” Mt 26.41). Se não houvesse a possibilidade do crente ser influenciado pelo pecado, Davi não teria orado: “Expurga-me tu dos que me são ocultos.” (Sl. 19.12; 119.133) e nem teria dito: “O meu pecado está sempre diante de mim” (Sl. 51.3). Jesus também não teria orado ao Pai que “os livres do mal” (Jo. 17.15). Paulo travava uma luta constante contra o seu pecado o que o fez lamentar: “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rm. 7.24).
É fato bíblico que o crente peca (Pv. 20.9; 24.16; Ec. 7.20), pois, ele é enfraquecido pela carne (“O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.” Jo 3.6). Tanto a realidade da presença do pecado na vida do crente quanto à nova natureza são vistas claramente na doutrina da santificação que envolve a correção de Deus (Hb. 12.5-13). Se não houvesse pecado na vida do crente, nunca haveria a correção. Se alguém que se acha crente, não conhece a mão pesada de Deus que corrige seus filhos levando-os a serem “participantes da Sua santidade” (Hb. 12.10), esse tal não tem razão nenhuma de se achar salvo. Mesmo havendo a capacidade de pecar, o crente é responsável por não pecar (“sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver”; “estas coisas vos escrevo para que não pequeis” 1Pe 1.15; 1Jo 2.1). A possibilidade de pecar nunca é uma razão para se desculpar a ação do pecado, mas uma forte razão para vigiar (Mt. 26.41) para que não entremos em tentação. Quem está salvo tem uma nova natureza feita por Deus em Cristo que luta contra o pecado (“e estes opõem-se um ao outro”; “que batalha contra a lei do meu entendimento” Gl 5.17; Rm 7.23). Antes de ser Cristão, o salvo não tinha forças nenhuma para dominar o pecado (Rm. 8.8). Em Cristo, o Cristão tem o que é necessário para dominar o pecado (Mt. 26.41; Fp. 4.13; I Jo. 4.4). Quando o crente peca, ele não cessa de ser filho de Deus (Rm 8.14-17); não perde a vida eterna (Jo 3.16); não perde a presença do Espírito Santo (Sl 139.7); não se torna desqualificado para ir para o céu (Cl 1.12,13).23
Os regenerados podem mostrar-se relapsos e cair em pecado. Quando isso ocorre, eles se opõem à sua nova natureza e o Espírito Santo os convence do seu pecado (cf. Jo 16.8) e os compele a arrepender-se e a serem restaurados à sua condição de justificados. Quando os crentes regenerados mostram o desejo humilde e grato de agradar a Deus, que os salvou, o reconhecimento de que Deus se comprometeu a guarda-los salvos para sempre aumenta esse desejo.24
MESMO DEPOIS DE TER SIDO REGENERADO, SALVO E JUSTIFICADO POR CRISTO, O CRENTE PODE COMETER O PECADO DO SUICÍDIO?
Vamos levar em conta as seguintes perguntas: o que é, e o que leva uma pessoa a cometer suicídio? Suicídio é o ato de tirar a própria vida intencionalmente [...]. O suicídio e os comportamentos suicidas normalmente ocorrem com: Transtorno de personalidade limítrofe, depressão, dependência de drogas ou álcool. As pessoas que cometem suicídio normalmente estão tentando fugir de uma situação de vida que lhes parece impossível de enfrentar. Muitas pessoas que tentam suicídio estão buscando alívio por: sentirem-se envergonhadas, culpadas ou por serem um peso para os demais; sentirem-se vítimas; sentimentos de rejeição, perda ou solidão. Os comportamentos suicidas podem ser causados por uma situação ou acontecimento que a pessoa encara como devastadora, por exemplo: envelhecimento (os idosos têm a maior taxa de suicídios); a morte de uma pessoa querida; dependência de drogas ou álcool; trauma emocional; doença física grave; desemprego ou problemas financeiros [...]. A maioria das tentativas de suicídio não resulta em morte. Muitas dessas tentativas são feitas de forma que o resgate seja possível. [...] Algumas pessoas tentam o suicídio de forma não violenta, como envenenamento ou overdose. Os homens, principalmente idosos, têm mais probabilidade de escolher métodos violentos, como atirar em si mesmos. Como resultado, as tentativas de suicídio de homens têm mais chances de resultar em morte. Os parentes de pessoas que tentam ou cometem suicídio, muitas vezes se culpam ou ficam furiosos. Eles podem ver a tentativa de suicídio como egoísta. No entanto as pessoas que tentam cometer suicídio em geral acreditam erroneamente que, ao deixar o mundo, estão fazendo um favor a seus amigos e parentes. Muitas vezes, mas não sempre, uma pessoa pode apresentar determinados sintomas ou comportamentos antes de uma tentativa de suicídio, incluindo: a) Dificuldade para se concentrar ou pensar claramente; b) Doar seus pertences; c) Falar sobre ir embora ou sobre a necessidade de “organizar minhas coisas”; d) Mudança repentina de comportamento, principalmente estando calmo após um período de ansiedade; e) Perda de interesse em atividades que costumava se divertir; f) Comportamentos autodestrutivos, como beber muito álcool, usar drogas ilegais ou cortar o próprio corpo; g) Afastar-se dos amigos ou não querer sair; h) Repentinamente, começar a ter problemas na escola ou no trabalho; i) Falar sobre morte ou suicídio, ou mesmo dizer que quer se ferir; j) Dizer que se sente desolado ou culpado; l) Mudança nos hábitos de sono ou de alimentação. 25
Em suma, o suicida é uma pessoa totalmente alheia e mentalmente indisposta a responder positivamente à vida. O suicida é incapaz de procurar em Deus a paz e o refrigério que emana da graça divina. O crente, apesar da possibilidade de cair em pecado, das tentações de Satanás e do mundo, e ainda que possa passar pela pior tribulação ou sofrimento, repousa seguro nas promessa do Senhor: “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar” (1Co 10.13). O verdadeiro cristão pode até imaginar que a morte seja verdadeiramente um descanso para a alma sofredora, e de fato é, mas nunca desejar a morte através do suicídio: “Porque não queremos irmãos, que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio na Ásia, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida. Contudo, já em nós mesmos, tivemos a sentença de morte, para que não confiemos em nós, e sim no Deus que ressuscita os mortos; o qual nos livrou e livrará de tão grande morte; em quem temos esperado que ainda continuará a livrar-nos...” 2Co1.8-10). O regenerado não pode cair totalmente (viver na prática do pecado) e nem finalmente (sucumbir à morte sem Cristo) do estado de graça em que se encontra, porque Deus o guarda na segurança da salvação. Diz a Confissão de Fé de Westminster:
 Os que Deus aceitou em seu Bem-amado, os que ele chamou eficazmente e santificou pelo seu Espírito, não podem cair do estado de graça, nem total nem finalmente; mas com toda a certeza hão de perseverar nesse estado até o fim, e estarão eternamente salvos.26
De todos os pecados que o homem pode cometer contra si mesmo e contra a Santidade de Deus, o único que nega veemente a eficácia da operação do Senhor através do Espírito Santo, o qual tem por missão convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo (Rm 16.8), é o pecado do suicídio. O suicídio é a forma mais cruel de alguém dizer adeus. Não há chance para apelação ou reconsideração. O suicídio é uma declaração pública de protesto contra a vida, contra pessoas, contra situações e contra Deus.27 Acima de tudo, o suicídio é o grito da alma contra a operação regeneradora e salvadora do Espírito Santo de Deus. É a crença na paz, no alívio da dor e do sofrimento através de um ato pessoal, agindo contra si mesmo ao invés de crer que Deus é capaz de suprir todos os anseios da alma. O suicídio não é o grito desesperado de uma alma sofredora, mais sim, o reflexo de uma alma inconversa, perdida, vazia, sem esperança, sem fé, sem Deus, sem vida e condenada à morte eterna:“Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e as blasfêmias que proferirem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno” (Mc 3.28,29).
A Bíblia fala do pecado imperdoável. Um pecado que não será perdoado, nem neste mundo nem no vindouro. É registrado pelos três Evangelhos Sinóticos (Mt 12.31,32; Mc 3.28-30; Lc 12.10). [...]. Como a Bíblia ensina, Deus perdoou pecados de incesto, assassinatos, mentira e, mesmo, os pecados de Paulo como perseguidor da Igreja, pecados que Paulo cometeu quando respirava "ameaças e morte contra os discípulos do Senhor (At 9.1). O que torna diferente dos outros o pecado imperdoável é a relação com o Espírito Santo. A obra do Espírito Santo é iluminar a mente dos pecadores (Ef 1.17,18), revelar e ensinar o evangelho (Jo 14.26), persuadir as almas a arrepender-se e a crer na verdade (cf. At 7.51). O Espírito não só explica a Palavra de Deus, mas também abre a mente de modo que ela possa ser entendida (2Co 3.16,17) [o Espírito Santo é quem nos faz entender por exemplo, que Deus nos dá verdadeira paz mesmo em meio a grandes tribulações: "Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti. Porque eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador..."(Is 43.2,3). Está é apenas uma das inúmeras promessas de Deus concernente ao seu cuidado para conosco espalhadas por toda a Bíblia. Negar esta revelação é nunca ter tido uma verdadeira experiência de conversão]. Quando a influência do Espírito é deliberadamente e conscientemente recusada, em oposição à luz, então o pecado irreversível pode ser cometido como um ato voluntário e deliberado [...]. Em resposta a essa atitude, há um endurecimento do coração, vindo da parte de Deus, que impede o arrependimento e a fé (Hb 3.12,13). Qualquer pessoa que nasceu de novo não cometerá esse pecado, porque o Espírito vive nela e Deus não está dividido contra si mesmo (1Jo 3.9). Os outros versículos que tratam do pecado imperdoável são: Hb 6.4-6; 10.26-29; 1Jo 5.16,17. Esses versículos mostram que a possibilidade de esse pecado ser cometido depende de ter havido iluminação e entendimento específico da parte de Deus [...].28
Portanto, a questão não é nivelar o pecado do suicídio no mesmo sentido de um pecado sujeito ao perdão de Deus, o suicídio é o pecado imperdoável, porque quem tira a sua própria vida, definitivamente não crê em Deus e muito menos na operação do Espírito Santo sobre ele. A Bíblia fala dos que morreram em Cristo (1Ts 4.16), não dos que se mataram em Cristo, ou por Cristo, ou ainda sem Cristo. Para os que dão cabo a própria vida, tudo é motivo para fazê-lo, mas o cristão verdadeiro, apesar das circunstâncias e adversidades sabe: "...que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós" (Rm 8.18), e ainda: "Quem nos separará do amor de Cristo? será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? [...] Em todas estas coisas, porém, somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou. Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rm 8.35,37-39). Por que o cristão desejaria se matar, se o próprio Senhor Jesus Cristo prometeu paz, alertou sobre as aflições desta vida e orientou-nos a ter bom animo? "Estas coisas tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom animo; eu venci o mundo" (Jo 16.33). O verdadeiro salvo não se suicida; ele foi salvo da morte e não para a morte: "quem tem o filho, tem a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida" (1Jo 5.12).
Os suicidas fazem parte daquele grupo denominado não-eleitos; independentes de quem sejam: pessoas comuns, pastores, filhos de pastores, sacerdotes, crentes e os assim nominalmente denominados cristãos. Ainda que tenham sido chamados pelo ministério da Palavra e tenham um certo conhecimento de Deus, e mesmo tendo vivenciado experiências pelo Espírito, não serão em tempo nem por meio algum salvos: “Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade” (Mt 7.22,23). A Confissão de Fé de Westminster diz:
Os não-eleitos, ainda que sejam chamados pelo ministério da Palavra e tenham algumas das operações comuns do Espírito, contudo jamais chegam a Cristo e, portanto, não podem ser salvos; muito menos poderão ser salvos por qualquer outro meio [...], por mais diligentes que sejam em conformar sua vida de acordo com a luz da natureza e com a lei da religião que professam; asseverar e manter que o podem, é muito pernicioso e detestável.29
A BÍBLIA TEM ARGUMENTOS SUFICIENTES PARA TRATAR O ASSUNTO DO PECADO DO SUICÍDIO OU NÃO EXISTE NENHUMA POSSIBILIDADE DE ARGUMENTAÇÃO BÍBLICA?
Os pontos que Miguel Núñez descreve para provar uma suposta possibilidade de o cristão cometer suicídio são claramente refutados pela Sagrada Escritura, apesar do próprio Núñez dizer que:       
“[...] alguns afirmam que um cristão jamais cometerá suicídio. No entanto, não existe nenhum versículo ou passagem bíblica que possa ser usado para categoricamente afirmar essa posição.”30
Pelo visto Núñez não está familiarizado, por exemplo, com 1 Coríntios 3.16.17: “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque o santuário de Deus, que sois vós, é sagrado”. Não resta a mínima dúvida de que o santuário diz respeito ao nosso próprio corpo. Imaginemos agora, as muitas formas de destruir este santuário. O suicídio é uma delas.
Primeiro ponto argumentado por Núñes: “Se estabelecemos que o cristão é capaz de cometer qualquer pecado, por que não conceber que potencialmente ele poderá cometer o pecado do suicídio?”
Resposta: O cristão é capaz de cometer qualquer pecado, menos o pecado imperdoável. A diferença é que como nova criatura em Cristo, ele pode rejeitar o pecado, e mesmo que venha a praticá-lo a sua consciência está cativa à Cristo e não mais escrava ao pecado para satisfazer a sua vontade. João escreve: “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” (1 Jo 2.1). O verdadeiro cristão não comete o pecado do suicídio porque quem se suicida não crê na operação redentora de Cristo através do Espírito de Deus, portanto este é o pecado imperdoável de Marcos 3.28 e 29.
Segundo ponto da argumentação de Núñez“Se estabelecemos que o sangue de Cristo é capaz de perdoar todo pecado, ele não cobriria esse outro pecado?” (referência à possibilidade do cristão cometer o pecado do suicídio).
Resposta: Jesus morreu somente pelos eleitos, ou seja, para perdoar somente os pecados deles: “[...] Além dos eleitos não há nenhum outro que seja remido por Cristo, eficazmente chamado, justificado, adotado, santificado e salvo”31 “Eles saíram de nosso meio; entretanto não eram dos nossos; porque se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco; todavia, eles se foram para que ficasse manifesto que nenhum deles é dos nossos” (1Jo 2.19). Os sintomas mais característicos de um suicida é a repulsa pela vida e a falta de fé em tudo, principalmente em Deus. A Bíblia ensina que: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus...” (Hb 11.6a). Ainda: “Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida (1Jo 5.12). O suicídio é falta de fé, e se não há fé não há operação do Espírito de Deus porque a fé é dom exclusivo de Deus: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus” (Ef 2.8)
Terceiro ponto da argumentação de Núñez: “Se o sacrifício na cruz nos tornou perfeitos para sempre, como diz o autor de Hebreus (7.28; 10.14), não seria isso suficiente para afirmarmos que nenhum pecado rouba a nossa salvação?”
Resposta: A Palavra de Deus não diz, como afirma Núñes, que o sacrifício da cruz nos tornou perfeitos em Hebreus 7.28, mas diz que: “... a palavra do juramento, que foi posterior à lei, constituíu o Filho, perfeito para sempre” (referência à Jesus Cristo, o Filho de Deus – ele sim é perfeito). Já em Hebreus 10.14, a Palavra diz que: “... aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados” (Não fala que nos tornou perfeitos, mas que nos aperfeiçoou, ou seja, nos tornou um pouco melhores do que somos, enquanto crescemos no processo da santificação). Lembrando mais uma vez: a salvação é apenas para os eleitos: “... eleitos, segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e a aspersão do sangue de Jesus Cristo...” (1Pe 1.2). Estes eleitos não são escolhidos após uma profissão de fé ou no levantar de uma das mãos em resposta a um apelo emocional, ou mesmo por livre vontade humana, mas eleitos ‘antes da fundação do mundo’: “... assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele...” (Ef 1.4). O único pecado que não leva o homem à salvação, continua sendo o pecado imperdoável, esta é a blasfêmia contra o Espírito Santo (conf. Marcos 3.28,29). A Bíblia ensina que o homem não é capaz de produzir fé verdadeira a partir de si mesmo; é necessário uma operação sobrenatural do Espírito Santo sobre ele convencendo-o do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8). Esse mesmo Espírito é que transforma a Palavra de Deus em vida e a coloca em nossos corações para que creiamos em o nome do Unigênito do Pai, Jesus Cristo: “E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo” (Rm 10.17).   
Quarto ponto da argumentação de Núñez: “Se até Moisés chegou a desejar que Deus lhe tirasse a vida, devido à pressão que o povo exerceu sobre ele, não poderia um paciente esquizofrênico ou na condição de depressão extrema, que não tenha a força de caráter de um Moisés, atentar contra a sua própria vida de maneira definitiva?”
Resposta: Um paciente esquizofrênico ou na condição de depressão extrema (um inconverso), com toda certeza pode atentar contra a sua própria vida e acabar com ela (suicidar-se). Porém Moisés (um homem temente a Deus), não desejou em momento algum suicidar-se, mas “desejou que Deus lhe tirasse a vida”. O cristão, por causa das lutas e tribulações pode até desejar morrer para estar com Cristo: “Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor” (Fp 1.23), mas nunca desejar tirar sua própria vida para isso: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Fp 1.21), ou seja, para o apóstolo Paulo, Cristo é sua razão de existir. Ao invés de desfazer a união que Paulo tem com Cristo, a morte vai introduzir Paulo em uma experiência mais profunda dessa união. Paulo deseja estar com Cristo, mas também deseja permanecer na terra por causa da igreja. Este é o dilema. Contudo, a decisão está nas mãos de Deus, e Paulo está confiante de que Deus tem mais trabalho para ele entre os filipenses.32 Moisés, por exemplo, não desejou suicidar-se por causa dos problemas. Assim como Jó, Elias e Jeremias, e tantos outros servos de Deus, todos passaram por grandes problemas a ponto de querer como Paulo estar com Cristo pela morte, e não pelo suicídio.  Com relação ao suicidas a Palavra diz: “Entretanto, o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os que lhe pertencem [...]. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do Diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele [...]. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo” (2Tm 2.19; 1Jo 3.10; Rm 8.9b; Ap 20.15).
Quinto ponto da argumentação de Núñes: “Se não somos Deus e não temos nenhuma maneira de medir a conversão interior do ser humano, poderíamos afirmar categoricamente que alguém que deu testemunho de cristão durante sua vida, ao cometer suicídio, realmente não era um cristão?”
Resposta: Na realidade não podemos saber se uma pessoa é verdadeiramente salva ou não. Esta afirmação cabe apenas, e individualmente a cada um: “Examine-se o homem a si mesmo...” (1Co 11.28a). Existe, é claro, indícios ou marcas que identificam um verdadeiro salvo, mas não é intenção tentar definir quem é ou quem não é, mesmo porque cada um dará conta de si mesmo a Deus no dia do juízo: “Vi também os mortos, os grandes e pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros” (Ap 20.12). Quanto aqueles que deram testemunho de cristão durante a vida e se suicidaram, diz a Palavra de Deus: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no reino dos céus...” (Mt 7.21).
Sexto ponto da argumentação de Núñes: “Baseados na história bíblica e na experiência do povo de Deus, poderíamos concluir que o suicídio entre os crentes provavelmente é uma ocorrência extraordinariamente rara, devido à ação do Espírito Santo e aos meios de graça presentes no corpo de Cristo.”
Resposta: O suicídio não faz, não fez e nunca fará parte da nova natureza do cristão: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andávamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. Mas Deus sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, - pela graça sois salvos...” (Ef 2.1-6).
Sétimo ponto da argumentação de Núñes: “Pensamos que o suicídio é um pecado grave, porque atenta contra a vida humana. Mas já estabelecemos que um crente é capaz de eliminar a vida humana, como o fez Davi. Se eu posso fazer algo contra alguém, como não conceber que posso fazê-lo contra mim mesmo? Essa é a nossa posição.”
Resposta: Davi chegou ao ponto de tirar a vida de alguém, se arrependeu sinceramente e durante sua vida sofreu as amargas consequências desse erro; e, mesmo assim, por conta dessa culpa, não cometeu suicídio. Diz a Bíblia: “O homem bom cuida bem de si mesmo, mas o cruel prejudica o seu corpo” (Pv 11.27). Aquele que comete suicídio não tem direito de acabar com a vida que não lhe pertence: “Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1Co 6.19).
CONCLUSÃO:
Temos uma orientação muito importante de Deus pela Palavra: “... estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós” (1Pe 3.15b). Infelizmente, dói no coração saber que para muitos cristãos a Bíblia não é mais suficiente para ser usada como argumento contra as muitas heresias que vez por outra tentam minar a fé de alguém. A Palavra de Deus é clara nesse sentido: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade” (2Tm 2.15). A Escritura Sagrada é autoridade máxima em matéria de fé e é com ela que o cristão defende a sua. Não importam os argumentos humanos, o que importa é o que a Bíblia diz, ainda que o que ela diz não esteja claro, mais esteja subentendido, como é o caso das palavras Trindade, Missões, e tantas outras que não aparecem no texto Sagrado, mas a sua ideia está lá. O suicídio é uma declaração pública daquele que está perdido eternamente. Por não terem sido regenerados, salvos, justificados e santificados por meio da operação do Espírito Santo neles, os não-regenerados estão sujeitos as mais perversas manifestações de uma natureza humana sem Deus, inclusive o próprio suicídio.
Diz o Breve Catecismo:
O estado de pecado em que o homem caiu consiste na culpa do primeiro pecado de Adão, na falta de retidão original e na corrupção de toda a sua natureza, o que ordinariamente se chama pecado original, juntamente com todas as transgressões atuais que procedem dele. Todo gênero humano, pela sua queda, perdeu a comunhão com Deus, está debaixo de sua ira e maldição, e assim ficou sujeito a todas as misérias nesta vida, à própria morte e às penas do Inferno para sempre.33                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        Outra verdade que encontramos na Bíblia, é a de que todos nascemos perdidos e condenados ao inferno. Não nos tornamos pecadores. A única diferença é que: “[...] aprouve a Deus salvar os que Creem pela loucura da pregação” (1Co 1.21b). E a Bíblia ainda diz: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome” (Jo 1.12). Os que se tornaram novas criaturas não vivem na prática do mal: “Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática do pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus” (1Jo 3.9). Porém, aqueles que não creram na operação redentora do Espírito de Deus sobre eles, perecerão eternamente nesta mesma confissão: “Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e as blasfêmias que proferirem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno” (Mc 3.28,29). “Se alguém vir a seu irmão cometer pecado não para a morte, pedirá, e Deus lhe dará vida, aos que não pecam para a morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que rogue” (1Jo 5.16).

REFERÊNCIAS______________________________________________________________________
[1] O Reverendo Gilberto de Souza é formado bacharel em Teologia pelo Centro Universitário da Grande Dourados – MS. Atua como pastor Auxiliar na Primeira Igreja Presbiteriana em Nilópolis – RJ.
[2,3,11,30,] NÚÑEZ, Miguel. Ao Cometer Suicídio, o Cristão Perde a Salvação? [Internet]. Disponível em: a href="http://www.ministeriofiel.com.br/">http://www.ministeriofiel.com.br>. Acesso em: 20 jan. 2014.
[4] Os Cinco Solas (apud BOYER, Orlando. Os Eróis da Fé, CPAD, Rio de Janeiro 2002). Os Cinco Solas da Reforma Protestante. [Internet]. Disponível em: a href="http://oscincosolas.blogspot.com.br/">http://oscincosolas.blogspot.com.br>. Acessado em: 21 jan. 2014.
[5,6,20,26,28,29,31] Confissão de Fé de Westminster/Assembleia de Westminster – 18. Ed. – São Paulo: Cultura Cristã, 2008 pág.19,21 Cap.I,II - Da Escritura Sagrada – IV,VI; pág.92,98 cap.X – Da Vocação Eficaz – I,IV; pág.135 cap.XVII - Da perseverança dos santos  – I; pág.39 cap.III – Dos Eternos Decretos de Deus – VI.
 [7] AZEVEDO, Vânia Dutra. Introdução à lógica. 2. Ed. – Ijuí: Ed. UNIJUÌ, 2000. – 243p. – (Coleção ensaios – política e filosofia). ISBN 85-85866-73-X.
[8] BERKHOF, LOUIS. Teologia Sistemática; traduzido por Odayr Olivetti. – 4ª Ed. Revisada_São Paulo: Cultura Cristã, 2012. 720p.; 16x23 cm. Tradução de Systematic Theology – ISBN 978-85-7622-462-4
[9] Confissão de Fé de Westminster/Assembleia de Westminster – 18. Ed. – São Paulo: Cultura Cristã, 2008 p.113 Cap.14 - Da Fé Salvadora – I.
[10] CARDOSO, Manuel Pedro. Catolicismo e Protestantismo, Qual a Diferença? Lisboa. s/data [Internet]. Disponível em: a href="http://www.igreja-presbiteriana.org/">http://www.igreja-presbiteriana.org>. Acesso em: 22 jan. 2014.
[12,22] Apostila: Curso para Catecúmenos. Igreja Presbiteriana do Brasil – Estudo 06: O Presbiterianismo – As Falsas Doutrinas na Igreja. Pág.12. Estudo 05: O Plano da Salvação – A regeneração. Pág.10.
[13] GUSSO, Antônio Renato, Como Entender a Bíblia – Orientações práticas para a interpretação correta das Escrituras Sagradas. / Antônio Renato Gusso – Curitiba: A.D.SANTOS EDITORA, 1998. 118p. – ISBN – 85-7459-027-4
[14,19] GONÇALVES, Paulo César. T.U.L.I.P Os Cinco Pontos do Calvinismo. [Internet]. Pág.3 Disponível em: a href="http://www.anpad.org.br/">http://www.anpad.org.br>. Acesso em: 25 jan. 2014.
[15,18] O Breve Catecismo / Assembleia de Westminster (1643 a 1652); [tradução Igreja Presbiteriana do Brasil]. – 2.ed. – São Paulo: Cultura Cristã, 2006 96p. Pergunta 10. pág.18; pergunta 20. Pág.25; perguntas 18 e 19. Pág. 23 e 24.
[16] SOUZA, Gilberto. A impossibilidade da Salvação por Méritos. Rio de Janeiro 2014. [Internet]. Disponível em: a href="http://areform.blogspot.com.br/">http://areform.blogspot.com.br>. Acesso em: 26 jan. 2014.
[17,21] OWEN, John. (2003, setembro 8). A regeneração. Revista Os puritanos, 03, ANO XI, pág. 10.
[23] GARDNER, Calvin. Micelânea O pecado na vida do crente. 09/2009. [Internet]. Disponível em: a href="http://www.palavraprudente.com.br/">http://www.palavraprudente.com.br>. Acesso em: 28 jan. 2014.
[24,32] Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri, Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. A perseverança dos santos. Pág.1331; 1413 (Comentário 1.21 e 23); 1152. [grifo meu]; 1413 (comentário 1.21 e 23)
[25] Minha Vida saúde, alimentação e bem estar. Suicídio. [Internet]. Disponível em: a href="http://www.minhavida.com.br/">http://www.minhavida.com.br>. Acesso em: 28 jan. 2014.
[27] (PARAIZO, Marcos Kopeska - Superando o luto - Quando vai passar? - Série "Superando as crises da vida" - Curutiba: A.D. SANTOS EDITORA, 2009, pág.17.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esta postagem realmente é muito forte, sendo assim, te convido a ler e meditar no seu conteúdo e depois, peço-te, deixe ai seu comentário, sua crítica, seu recado, sua opinião... E compartilhe em sua rede social.
Pois assim você estará me ajudando a melhorar este espaço!
(1)Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se.
(2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, a única coisa que não aceitarei é esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor. não venha me criticar por falar contra aqueles que penso serem enganadores e falsos profetas.
Sinta-se em sua casa! Ou melhor, em seu blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ao redor do mundo...

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

MENSAGENS DO MILTON RABAYOLI

FIQUE A VONTADE... SINTA-SE COMO SE ESTIVESSE EM SEU PRÓPRIO BLOG...

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ E VOLTE SEMPRE! ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥