Para a glória de Deus!

Para a glória de Deus!

01/01/2014

VESTES BRANCAS NO ANO NOVO É COSTUME PAGÃO!



O ano novo já passou, mas fica ai a dica...
[Um sincero e amoroso alerta aos salvos, para que deixem um pequeno “ritualzinho pagão” de festa de fim de ano.]

 “Porquanto deixaram ao SENHOR, e serviram a Baal e a Astarote.” – Juízes 2.13
 “E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande Babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra.” – Apocalipse 17.5
Quando Israel chegou a terra prometida a Abraão (Gênesis 12.1-3), deparou-se com os Cananeus, designação geral dos habitantes da região. Eram os Periseus, os Jebuseus, os Heveus, os Heteus, os Girgaseus. Eles também eram chamados de Amorreus, outra designação geral para eles.
Deparando-se com estes povos, Israel também se deparou com sua religião pagã e seus costumes sanguinários. Seus deuses principais eram Baal ( “senhor” / “esposo”) e sua Astarote (“esposa” / “senhora”). Ambos personificavam “o princípio reprodutivo da natureza”, afirma o Dr H. Halley.
Seus nomes variaram com os povos. Ishtar é babilônico, Astarte grego e romano. Baalins, plural de Baal e eram imagens diversas do deus cananeu. Astarote plural de Astorete. Seus postes sagrados eram chamados Asera, sendo um cone, pedra ou tronco de árvore, representando a deusa.
Seus sacerdotes eram prostitutas cultuais, e prostitutos cultuais sodomitas. Este culto aparece na Bíblia novamente no Novo testamento com a adoração a Diana, com os mesmos costumes (ver Atos 19). Um grande templo existia na cidade de Corinto, o que causou muitos problemas aos irmãos da igreja local daquela localidade, fruto do trabalho missionário do apóstolo Paulo (Atos 18.1).
O costume de assassinar os bebês veio da situação indesejável das sacerdotisas engravidarem por seus serviços, pois os cultos em seus templos consistiam nas mais extremadas práticas de orgias. Estes locais eram concentrações das práticas mais abomináveis. Os sacerdotes gostavam de lugares altos ou elevados para estabelecerem seus templos e adorações demoníacas.
O aborto era realizado “em vida”, sendo que os bebês indesejados eram assassinados ainda recém nascidos em adoração a Baal.  Quando o explorador MacAlister realizou escavações em Gezer, entre 1904 a 1909, descobriu que “toda área identificada com estratos correspondentes à época dos cananeus, eram verdadeiros cemitérios de crianças recém nascidas sacrificadas ao ídolo”.
O Dr Halley nos esclarece:
“Outro sacrifício horrível era o que se chamavam ‘sacrifício dos alicerces’. Quando se ia construir uma casa, sacrificava-se uma criança, cujo corpo era metido no alicerce, a fim de trazer felicidade para o resto da família...Seria ainda de estranhar que DEUS ordenasse a Israel o extermínio dos cananeus? Teria direito de continuar a existir por mais tempos uma civilização de tão abominável imundície e brutalidade? Temos aí um dos exemplos da história de como a ira de DEUS se revelou contra a perversidade de certas nações...O objetivo de DEUS em mandar exterminar os cananaues, além de ser castiga-los, foi o de preservar Israel da Idolatria e das suas práticas vergonhosas. DEUS estava estabelecendo a nação israelita com o grande e especial propósito de preparar a vinda de Cristo...”
Os cananeus eram verdadeiros “cidadãos” de sodoma e gomorra em escala nacional. Suas representações grosseiras incitavam à perversão em todos os aspectos. Infelizmente, alguns costumes e idéias chegam até nós através das práticas pagãs ainda revividas nas mentes ímpias. Vejamos alguns exemplos:
a. O festival da carne, hoje conhecimdo como “carnaval”;
b. A idéia de bebês indesejáveis e a prática do aborto livre, aberto e apoiado pelo estado numa clara repetição da mentalidade cananéia, ainda que em aspectos e linguajar muito mais eufemistas. (Há vários seguidores de ocultismo que sacrificam crianças aos demônios, ainda nos dias atuais, costume que cada vez se intensifica cada vez mais).
b. O costume de se fazer fogueiras nas festas pagãs romanistas em homenagem aos seus ídolos, relembrando o costume de sacrificar infantes a Moloque. As crianças “pulam” a fogueira em referência nítida da morte dos inocentes em adoração ao terrível ídolo.
c. A inauguração de totens em praças públicas, repetindo os postes sagrados, pelos praticantes de ocultismo. Hoje repetido nos ícones da maçonaria, geralmente em praças centrais e/ou pontos turísticos, você já viu alguma na sua cidade? Em Manaus existe um desses “postes ídolos”, com placa dos fundadores maçons do município, na chamada Praça do Relógio, bem em frente ao porto da cidade. Conheço mesmo igrejas que possuem totens em seus pátios, por terem sido fundadas por membros que também faziam parte da maçonaria.
Infelizmente, alguns salvos e membros de igrejas locais, por pura ignorância, praticam em repetição costumes pagãos como se tudo não fosse senão uma boa prática cristã. Permitam-me revelar-lhe um dos mais simples, talvez mais repetido e também com um dos que possuem significados mais terríveis:
O COSTUME DAS MULHERES (claro que também alguns homens fazem isso) VESTIREM-SE DE BRANCO NO ÚLTIMO DIA DO ANO PARA CELEBRAR A PASSAGEM DO ANO VELHO PARA O ANO NOVO.
 [Costume permanece praticado por espíritas, adeptos do candomblé, macumba, umbanda, quimbanda, católicos, espiritualistas e, infelizmente, cristãos professos que não sabem o que estão fazendo!]
Seria este um costume salutar? Seria cristão ou pagão?
Ser-nos-ia suficiente evitar tal costume se simplesmente tomássemos conhecimento de que se trata de uma prática comum entre os ocultistas modernos. Os espíritas, os umbandistas, os romanistas e todos os místicos que seguem a nova era e as religiões pagãs ainda em voga.
Infelizmente alguns salvos, membros de igrejas locais fecham seus olhos para essa triste realidade.
Mas perguntemos, eu insisto, qual a origem do costume? Qual a fonte de tais rituais?
Ocorre que na Babilônia o deus Baal, ou Bel ou Baal Marduk (haviam mais de 50 títulos que ele recebia além destes, sendo o deus nacional babilônico), era adorado em Zigurates, ou templos pirâmides, formados por degraus contínuos. O historiador Heródoto, testemunha ocular destes templos babilônicos, chamava-os de “torres”.
O último andar era o santuário do deus Baal, ou Marduk, onde ministravam os sacerdotes. O principal destes Zigurates na babilônia foi identificado como o Zigurate de Esemenank. Esse, como os demais, tinha no topo o seu santuário.
Durante o festival do Ano Novo na babilônia, ocorria o que era chamado de “casamento sagrado”. Durante o rito de passagem de um para o outro ano, uma moça virgem era escolhida a dedo pelos sacerdotes. A escolhida era vestida de branco e era introduzida no santuário e deitada em um leito de ouro puro. Na passagem do ano velho para o ano novo o próprio Baal/Marduk vinha ter relações sexuais com a jovem. É claro e evidente que os próprios sacerdotes eram os que abusavam da jovem. Estes rituais, repetidos todos os anos, eram chamados de “casamentos sagrados” babilônicos. Caso a jovem engravidasse, seu bebê era sacrificado quando recém-nascido, ao próprio Baal/Marduk .
Embora o Zigurate de Esemenank tenha sido destruído por Xerxes em 479 a.C, o costume de vestir-se de branco continuou sendo praticado, sejam nos casamento pagãos ritualizados, sejam nas práticas das sacerdotisas prostitutas (entre os sacerdotes sodomitas também), seja nos praticantes do ocultismo através dos séculos. Até hoje os místicos fazem referência ao “melhor momento” para as relações sexuais dos casais (adultério, fornicação, prostituição, etc). Afirmam abertamente que é o exato momento da passagem do ano velho para o ano novo, quando, antes da prática, ambos devem usar vestes brancas. Uma repetição, ainda que ignorante, do “casamento sagrado” babilônico.
Não é à toa que DEUS dá o título de “mãe das prostituições e abominações da terra” à Babilônia (Apoc 17.5), pois vez ou outra se verifica que todas as práticas religiosas pagãs têm sua origem em Babel e nos povos cananeus, babilônia, portanto.
No Velho Testamento, o povo de Israel, de contínuo se entregou aos costumes pagãos cananeus, pelo que DEUS exerceu juízo levando-os ao cativeiro. Não foram poucos os rogos do DEUS de misericórdia para que abandonassem as horrendas práticas idólatras.
Por esse motivo clamaram os profetas, como Isaías:
“Portanto o meu povo será levado cativo, por falta de entendimento; e os seus nobres terão fome, e a sua multidão se secará de sede. Portanto o inferno grandemente se alargou, e se abriu a sua boca desmesuradamente; e para lá descerão o seu esplendor, e a sua multidão, e a sua pompa, e os que entre eles se alegram.” – Isaías 5.13-14
É realmente triste ver que, mesmo em igrejas locais, costumamos observar irmãs e irmãos com essa prática paganizada, mesmo que inconscientemente, perpetuando um costume de significado tão terrível quanto demoníaco.
Com amor é que desejamos que este alerta alcance àqueles que, mesmo ignorantemente, se entregam cada ano a este pequeno “ritualzinho pagão”. Conclamo que os salvos para que possam deixar tais comportamentos indevidos a todo servo de DEUS.
Por isso clamemos nós para que os amados irmãos deixem sua ignorância e sejam conduzidos à obediência ao Senhor Nosso DEUS, deixando os costumes pagãos, seus ritos e seus simbolismos.
“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” – Romanos 12.1-2
DEUS nos abençoe a mais amá-lO e a melhor servi-lO. E que este texto sirva para o amadurecimento espiritual dos salvos que desconheciam tais fatos históricos.

É meu desejo e oração, amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esta postagem realmente é muito forte, sendo assim, te convido a ler e meditar no seu conteúdo e depois, peço-te, deixe ai seu comentário, sua crítica, seu recado, sua opinião... E compartilhe em sua rede social.
Pois assim você estará me ajudando a melhorar este espaço!
(1)Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se.
(2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, a única coisa que não aceitarei é esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor. não venha me criticar por falar contra aqueles que penso serem enganadores e falsos profetas.
Sinta-se em sua casa! Ou melhor, em seu blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Ao redor do mundo...

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

MENSAGENS DO MILTON RABAYOLI

FIQUE A VONTADE... SINTA-SE COMO SE ESTIVESSE EM SEU PRÓPRIO BLOG...

♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ E VOLTE SEMPRE! ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥